É verdade que o brasileiro paga o combustível mais caro do mundo?

Uma questão muito importante para o povo mineiro é o preço do combustível. Será que nosso povo paga o combustível mais caro do mundo?

E, em cinco pontos, vamos explicar como ele é formado, por que poderia ser mais barato, e como a Petrobras não é a principal responsável pelo valor final.

 

1) A Petrobras é responsável por menos de ¼ do valor da gasolina

É isso mesmo! O valor que você paga no posto de combustível é composto por quatro fatores:

  1. Gasolina pura: produzida pela Petrobras na Refinaria Gabriel Passos (Regap), aqui em Minas, e em outras refinarias do Brasil = 18%
  2. Impostosestaduais e federais = 50%
  3. Álcool anidro, para reduzir a poluição = 11%
  4. Demais agentes da cadeia privada de comercialização= 21%

Essas porcentagens não são fixas: qualquer alteração em uma dos quatro fatores pode mudar o valor que é pago no posto, para mais ou para menos.

 

2) A Petrobras reduz os preços nas refinarias. Mas o setor privado aproveita para lucrar em cima

Pois é: a Petrobras cumpre seu papel estatal, oferecendo meios de ajudar o povo. Mas a iniciativa privada toma os descontos para ela, em vez de repassá-los ao consumidor.

Nas refinarias, de janeiro para cá (2020), a Petrobras baixou 11 vezes o preço da gasolina (que ficou 48% mais barata), e 9 vezes o do diesel (35% mais em conta).

Já a parte privada, se aproveitou da situação para aumentar seus lucros: a gasolina só caiu 8,2% nas distribuidoras, e a queda foi de apenas 5,7% nos postos (que são TODOS privados). E o mesmo com o diesel: menos 14,3% nas distribuidoras, mas apenas 9,1% de queda nas bombas. Ou seja, eles não repassaram o mesmo desconto para a população.

E tudo isso aconteceu enquanto o povo sofria com a pandemia do novo Coronavírus, quando seria de vital importância pagar o menor valor possível em itens tão essenciais como o combustível.

Vale frisar que a Petrobras não é mais acionista da BR Distribuidora (dona dos postos que ainda levam a marca BR Petrobras por uma questão contratual), privatizada pelo Governo Federal, em 2019.

Logo, a estatal não controla mais a política de preços finais.

 

3) O combustível caro é decisão do Governo Federal

Em 2017, o governo de Michel Temer iniciou uma política de precificação para agradar ao capital estrangeiro, que muda o preço dos combustíveis conforme as variações de preço do mercado internacional do petróleo e da oscilações do dólar.

Para piorar, nossa moeda (o Real) foi a terceira mais desvalorizada frente ao dólar em todo o planeta, nos primeiros meses de 2020.

Minas Gerais têm sofrido bastante com essa decisão. Por aqui, o preço da gasolina subiu 27%, e o do diesel 14%, desde que tal política começou.

São valores muito acima da inflação, que foi de 11,20% no período, e nada têm a ver com a Petrobras (falamos disso no item 2).

Entre 2003 e 2016, a Petrobras segurava o preço da gasolina e do diesel no Brasil, para evitar aumentos e ajudar os brasileiros a pagar mais barato. Setores da mídia que apoiam a privatização (porque seus patrocinadores desejam se apropriar do nosso petróleo) criticavam o governo por causa disso (você se lembra?).

Muitos dos países onde a população paga menos do que os brasileiros pela gasolina subsidiam o setor. O governo dos Estados Unidos, por exemplo, gastou o equivalente a quase R$ 25 bilhões em 2018 para fazer com que a gasolina fosse vendida mais barata. Detalhe: lá o setor é todo privado, ou seja, o governo pagou para que as empresas privadas vendessem mais barato.

 

4) E tem mais…

Com a Petrobras estatal, pagamos apenas US$ 6 em cada barril de petróleo produzido. Mas pagaremos US$ 60 se nossas refinarias forem vendidas: seus novos donos vão querer recuperar o valor da compra da refinaria, e aplicarão preços do mercado estrangeiro para nos vender combustível feito a partir do nosso próprio petróleo.

Além disso, refinar petróleo no Brasil custa cerca de R$ 2 por barril. Já no exterior, custa R$ 3 (dados de 2018). Mesmo assim, o atual Governo Federal importa refinados (a preços altíssimos), e exporta o valioso petróleo brasileiro cru (que tem preços muito mais baixos).

 

5) Apesar de tudo, o brasileiro não paga o combustível mais caro do mundo. Mas podia ser mais barato!

Diferentemente do que espalham por aí, os brasileiros não pagam o combustível mais caro do mundo. O Brasil está entre os 40 países com o menor preço de gasolina – entre mais de 200.

Preço combustível Brasil - mundo

Gráfico: Posição do Brasil em relação aos outros países quanto ao preço da gasolina

 

Contudo, nosso povo poderia pagar ainda menos.

Com a Petrobras no controle dos preços, e a integração de suas refinarias – como a Refinaria Gabriel Passos (Regap), aqui de Minas –, a população só tem a ganhar!

Por isso, participar da campanha #PetrobrasFicaEmMG é tão importante.

Com a sua ajuda, podemos levar essas informações para o maior número de pessoas, e salvar Minas e o Brasil de uma calamidade.

 

Junte-se a nós! #PetrobrasFicaEmMinas

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *